Voltar para Home

Kefir de leite

Conheça os misteriosos grãos que transformam o leite em uma deliciosa bebida fermentada

Divisória de Artigo

Se você já viu, nos grupos de bairro, em sites de troca, ou em grupos de amigos e familiares, alguém doando “mudas de kefir” e se perguntou o que é isso, a gente te conta. O kefir é um leite fermentado que tem a consistência e o azedinho de um iogurte.

A fermentação é feita a partir dos grãos de kefir, que são pequenas massas gelatinosas, de 3 a 35 milímetros, de forma irregular e de cor esbranquiçada ou um pouco amarelada. Nesses grãos, vivem leveduras, bactérias e outros micro-organismos que formam uma colônia. Quando eles são cultivados no leite, se multiplicam, gerando mais grãos – daí as pessoas tirarem “mudas” para doação.

Prático e bom para a saúde

Uma bebida bem antiga, o kefir ainda ganha em popularidade por seu preparo simples, caseiro e barato – você só precisa dos grãos e do seu leite favorito. E também por seus alegados efeitos probióticos: a definição que o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento dá ao kefir descreve a presença de bactérias que são consideradas probióticas pela Anvisa. O kefir também é bom para quem tem intolerância leve à lactose, pelo mesmo motivo do iogurte.

Já outros efeitos benéficos para a saúde ainda têm pouca comprovação científica. Como os grãos vão sendo doados e cultivados em diferentes condições, a composição exata dos organismos presentes nos grãos pode variar bastante. De toda forma, todos os benefícios do leite estão também no kefir, é claro.

Origem misteriosa

Acredita-se que o kefir tenha sido descoberto nas montanhas do Cáucaso, por caucasianos que notaram que o leite fresco carregado em bolsas de couro poderia fermentar, gerando uma bebida efervescente. Na antiguidade, ele era conhecido como a “bebida do profeta”, preparada com os “grãos do profeta Maomé”, recebidos por Maomé de Alá, e transmitidos de geração em geração. O termo kefir deriva do turco keif que significa “bem-estar” ou “bem-viver”… faz sentido, não?

Fontes: Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Leites Fermentados; artigo “Kefir: uma nova fonte alimentar funcional?”; projeto Kefir do Recôncavo (UFRB).

VEJA TAMBÉM:

Next Post

Previous Post